7 vantagens de investir em imóveis no exterior

Com a instabilidade da economia nacional, a escassez de crédito e o preço dos aluguéis despencando no Brasil, a procura por imóveis no exterior vem crescendo a passos largos. Entre 2007 e 2015, a compra de propriedades em outros países por parte dos brasileiros cresceu impressionantes 201%. Nada mal, não?

As razões que explicam o interesse do brasileiro em investir no exterior são diversas: estabilidade, solidez, ausência de burocracia… Você também sempre sonhou em ter um imóvel no exterior? Acha que é coisa para milionário? E se você descobrisse que o m2 em Orlando, por exemplo, é mais barato do que na maioria das capitais brasileiras?

Os preços baixos lá fora e a retração do mercado imobiliário nacional indicam que é um bom momento para pensar seriamente em materializar esse desejo antigo. Hoje, vamos mostrar algumas vantagens de investir em imóveis no exterior, especialmente nos Estados Unidos. Continue a leitura!

1. Preço baixo

A venda de imóveis para brasileiros na Flórida cresceu 50% apenas no 1º trimestre de 2016. Miami e Orlando são as cidades mais procuradas, especialmente pelo seu baixo custo em comparação com algumas capitais nacionais.

Enquanto o m2 no Leblon chega a valer mais de R$ 22 mil, é possível encontrar imóveis acima de 140 m2 a partir de  R$ 600 mil. São menos de R$ 4.286,00 por m2! Algo cada vez mais difícil de encontrar em cidades como São Paulo, Brasília ou no próprio Rio de Janeiro.
 

2. Estabilidade da moeda norte-americana

 
A maioria dos brasileiros sempre sonhou em investir no exterior. Ocorre que, ao contrário do alto risco de fundos cambiais ou mesmo dos BDRs (instrumentos utilizados para intermediar a negociação, no Brasil, de ativos de empresas estrangeiras), um imóvel é um patrimônio menos sujeito à volatilidade do mercado.

Além disso, comprar um imóvel no exterior significa investir em dólar, moeda cuja estabilidade é sinônimo de lucro e proteção financeira, especialmente em momentos de crise político-econômica. Nesse contexto, fugir da gangorra dos mercados nacionais é um dos fatores que explicam por que tantos brasileiros vêm deslocando seus recursos para o setor imobiliário internacional.
 

3. Financiamentos com juros menores e sem burocracia

 
Enquanto, no Brasil, os juros do crédito imobiliário raramente chegam ao patamar inferior a 10% ao ano e todo o processo é transbordante de complicações burocráticas, o financiamento bancário nos Estados Unidos é muito mais simples, barato e sem restrições a estrangeiros.

Por incrível que pareça, investir no exterior acaba saindo mais barato do que tentar comprar um imóvel no Brasil! Nos Estados Unidos, os bancos emprestam até 70% do valor do imóvel, com juros  mais baixos do que os praticados por aqui.

Os documentos comumente exigidos no processo de aprovação de crédito são:

cópia do passaporte com visto válido;
cópia do IR dos últimos 3 anos;
cópia dos 3 últimos extratos bancários;
comprovante de posse do valor da entrada;
relatórios de ausência de restrição em órgãos de proteção ao crédito no Brasil;
cópias dos últimos contracheques.

As instituições financeiras norte-americanas possuem prazo entre 30 e 60 dias para aprovar o crédito solicitado, e o tempo de financiamento mais utilizado é de 15 anos ou 30 anos.
 

4. Ter uma casa de veraneio para viajar com a família ao exterior

 
Investir no exterior tem muitas vantagens. Imagine morar a poucos minutos da Walt Disney World Resort, o complexo de entretenimento mais visitado do mundo? Seus filhos iriam adorar, não é?

Pois é! Milhares de brasileiros já sabem o que é isso, pois adquiriram  casas em Orlando — residências são usadas nos períodos de férias pela própria família para lazer e, em outros, para locação a turistas, incrementando poderosamente sua renda… em dólar!

5. Facilidade de entrada no país de aquisição do imóvel

 
Vamos começar este tópico esclarecendo que comprar uma casa nos Estados Unidos, por exemplo, não dá direito a um visto de residência no país — essa é uma dúvida muito comum dos brasileiros.

A aquisição de um imóvel por um estrangeiro nos EUA não se relaciona de forma alguma com a obtenção do Green Card.

6. Valorização dos imóveis no exterior

 
Um levantamento da Revista Exame, subsidiado pela Vitoria Realty, confirma muitos dos fatos que estamos descrevendo aqui. Segundo uma pesquisa do periódico feita no final de 2016, com U$200 mil, é possível comprar uma casa de 112 m2 em um condomínio com piscina em Orlando.

O preço dos imóveis no Brasil vêm enfrentando seguidas quedas, fruto do peso da retração do mercado imobiliário nacional. Já a situação do mercado norte-americano é bastante distinta.

Após a recessão no final dos anos 2008, o país vem apresentando sinais sólidos de recuperação econômica e, com isso, os imóveis sinalizam um alto potencial de valorização. Em poucos anos, essa valorização já superou os 20%, percentual inimaginável no Brasil.

7. Mirar um negócio futuro aproveitando a flutuação do dólar

 
Suponhamos que você comprou uma casa de 250 m2 em Orlando, pagando US$ 300 mil em 2009, época em que o câmbio estava na faixa de R$ 1,80.

Agora imagine que, em 2017, com dólar a R$ 3,15, você entenda que é hora de realizar lucro sobre seu investimento. Sua propriedade, adquirida por R$ 540 mil, vai ser vendida por R$ 945 mil. Isso sem considerar a valorização natural do mercado imobiliário que, na Flórida, chega a alcançar os 20% , conforme citado acima.

Interessou-se pelas oportunidades de fazer um grande negócio adquirindo imóveis no exterior? Então, baixe nosso e-book O Guia Completo para Comprar Casas em Orlando e descubra todos os segredos do mercado imobiliário na cidade da Disney!

Fale conosco

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *